Horários De Atendimento

Segundas - 20 Hs - Mãe Ana e Pai Afonso.
Quartas - 20 Hs - Mãe Hosana e Pai Ney.
Quintas - 20 Hs - Mãe Gislaine e Pai Afonso.
Sextas --- 20 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.
Sábados - 19 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.

Primeira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Segunda Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira da Corrente do Dr. Adolfo Bezerra de Menezes.
Terceira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Quarta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Cigana.
Quinta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Fechada.

Primeiro Sábado do mês - 15 Hs - Jardins de Aruanda.

Endereço - Rua Meciaçu 145 Vila Ipê - Campinas SP.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Qual o Nome de seu terreiro?


Por Alexandre Cumino

Antes de criar um nome para seu terreiro ou tentar registrar verifique se já não existe outro com o mesmo nome. Existem hoje uma grande quantidade de terreiros funcionando com o mesmo nome. O problema é que a maioria não tem um registro e quando vão tentar fazer este registro descobrem que já existe um terreiro com mesmo nome. Então ficam indignados e dizem que o nome foi dado por uma entidade e que vão lutar e ir para a justiça...

Tudo bobagem, entidade espiritual não tem apego a nomes, nem orgulho ferido.

São centenas de tendas comandadas por caboclos e pretos velhos com os mesmos nomes como: sete flechas, sete montanhas, folha verde, araribóia, cobra coral, pena dourada, pena branca, pena vermelha, pena branca, flecha ligeira, urubatão, urubatan, ubirajara, aimoré... beira mar, matinata, sete ondas, marinho, megê, naruê, iara... benedito, cabinda, Jacó, joão, maria... de aruanda, de angola, da jurema...etc e tantos outros como casa da Paz, da caridade, do amor, da luz, da benção...

Vamos dar mais atenção aos registros, as regras da terra, que devem ser respeitadas.

P.S. Este assunto surgiu de uma conversa com a amiga Sandra Santos, Presidente da AUEESP (Associação Umbandista e Espiritualista do Estado de São Paulo) a qual sou associado, que me informou sobre a quantidade de processos que rolam na justiça por conta dos nomes de tendas, centros e terreiros. As pessoas dizem que o nome foi escolhido pelo astral e por esta razão não podem mudar. Realmente uma falta de bom senso, todas as entidades de Luz e de Lei sabem que este mundo tem regras e que as mesmas devem ser respeitadas.

--
"Umbanda é Linda;
Umbanda é Tudo de Bom;
Umbanda é Religião,
Portanto Só Pode Praticar o BEM!!!"
Alexandre Cumino


segunda-feira, 23 de abril de 2012

As Características Dos Filhos De Ogum


Por Pai Pedro de Ogum

Não é difícil reconhecer um filho de Ogum. Tem um comportamento extremamente coerente, arrebatado e passional, aonde as explosões, a obstinação e a teimosia logo avultam, assim como o prazer com os amigos e com o sexo oposto. São conquistadores, incapazes de fixar-se num mesmo lugar, gostando de temas e assuntos novos, conseqüentemente apaixonados por viagens, mudanças de endereço e de cidade. Um trabalho que exija rotina, tornará um filho de Ogum um desajustado e amargo. São apreciadores das novidades tecnológicas, são pessoas curiosas e resistentes, com grande capacidade de concentração no objetivo em pauta; a coragem é muito grande. 

Os filhos de Ogum custam a perdoar as ofensas dos outros. Não são muito exigentes na comida, no vestir, nem tão pouco na moradia, com raras exceções. São amigos camaradas, porém estão sempre envolvidos com demandas. Divertidos, despertam sempre interesse nas mulheres, tem seguidos relacionamentos sexuais, e não se fixam muito a uma só pessoa até realmente encontrarem seu grande amor. 

São pessoas determinadas e com vigor e espírito de competição. Mostram-se líderes natos e com coragem para enfrentar qualquer missão, mas são francos e, às vezes, rudes ao impor sua vontade e idéias. Arrependem-se quando vêem que erraram, assim, tornam-se abertos a novas idéias e opiniões, desde que sejam coerentes e precisas. 

As pessoas de Ogum são práticas e inquietas, nunca "falam por trás" de alguém, não gostam de traição, dissimulação ou injustiça com os mais fracos. 


Nenhum filho de Ogum nasce equilibrado. Seu temperamento, difícil e rebelde, o torna, desde a infância, quase um desajustado. Entretanto, como não depende de ninguém para vencer suas dificuldades, com o crescimento vai se libertando e acomodando-se às suas necessidades. Quando os filhos de Ogum conseguem equilibrar seu gênio impulsivo com sua garra, a vida lhe fica bem mais fácil. Se ele conseguisse esperar ao menos 24 hs. para decidir, evitaria muitos revezes, muito embora, por mais incrível que pareça, são calculistas e estrategistas. Contar até 10 antes de deixar explodir sua zanga, também lhe evitaria muitos remorsos. Seu maior defeito é o gênio impulsivo e sua maior qualidade é que sempre, seja pelo caminho que for, será sempre um Vencedor. 

A sua impaciência é marcante. Tem decisões precipitadas. Inicia tudo sem se preocupar como vai terminar e nem quando. Está sempre em busca do considerado o impossível. Ama o desafio. Não recusa luta e quanto maior o obstáculo mais desperta a garra para ultrapassá-lo. Como os soldados que conquistavam cidades e depois a largavam para seguir em novas conquistas, os filhos de Ogum perseguem tenazmente um objetivo: quando o atinge, imediatamente o larga e parte em procura de outro. É insaciável em suas próprias conquistas. Não admite a injustiça e costuma proteger os mais fracos, assumindo integralmente a situação daquele que quer proteger. Sabe mandar sem nenhum constrangimento e ao mesmo tempo sabe ser mandado, desde que não seja desrespeitado. Adapta-se facilmente em qualquer lugar.Come para viver, não fazendo questão da qualidade ou paladar da comida. Por ser Ogum o Orixá do Ferro e do Fogo seu filho gosta muito de armas, facas, espadas e das coisas feitas em ferro ou latão. É franco, muitas vezes até com assustadora agressividade. Não faz rodeio para dizer as coisas. Não admite a fraqueza e a falta de garra. 

Têm um grave conceito de honra, sendo incapazes de perdoar as ofensas sérias de que são vítimas. São desgarrados materialmente de qualquer coisa, pessoas curiosas e resistentes, tendo grande capacidade de se concentrar num objetivo a ser conquistado, persistentes, extraordinária coragem, franqueza absoluta chegando à arrogância. Quando não estão presos a acessos de raiva, são grandes amigos e companheiros para todas as horas. 

É pessoa de tipo esguio e procura sempre manter-se bem fisicamente. Adora o esporte e está sempre agitado e em movimento, tendem a ser musculosos e atléticos, principalmente na juventude, tendo grande energia nervosa que necessita ser descarregadas em qualquer atividade que não implique em desgastes físicos. 

Sua vida amorosa tende a ser muito variada, sem grandes ligações fixas, mas sim superficiais e rápidas. 

Conheça mais sobre a Umbanda.

Por Pai Pedro de Ogum

Vibração Ogum


Ogum é um dos orixás mais cultuados dentro do panteão Umbandista, o soldado de Aruanda, Ogum é o general de guerra, o vencedor de demandas. O patrono do ferro, dos metais em geral. Sua cor geralmente é o vermelho e branco, mas varia muito dependendo do culto e da casa.
Suas festividades ocorrem no dia 23 de abril, seu sincretismo quase que absolutamente é São Jorge, mas também pode variar dependendo da casa e da liturgia praticada.
Ainda insistindo na mitologia, Ogum é irmão de Oxóssi e Exú, e sua esposa foi Oxum, Iansã ou até mesmo Iemanjá, dependendo da qualidade do mesmo, mas isso é apenas a título de curiosidade e não desprenderei mais tempo para explanar sobre as lendas. Sua saudação é Patacori Ogum, Ogum Iê.
Sabe-se que Ogum é o patrono do Ferro, dos metalúrgicos, da tecnologia e dos soldados, também é o Senhor das Estradas, portanto, a área de atuação da vibração de Ogum é muito vasta, portanto, tentarei esmiuçá-la no decorrer do texto.
Ogum é a vibração que nos impulsiona à Luta, às Guerras, é a nossa coragem, o nosso ânimo para vencer as constantes guerras que travamos em nosso cotidiano, é o patrono do Ferro, não penso só no ferro que conhecemos como o metal utilizado para matéria prima, mas também no papel biológico de nosso corpo, como as ligações de ferro em nosso sangue, a hemoglobina, por exemplo, que é formada por Ferro e leva o Oxigênio por todo nosso sistema circulatório. Sua carência nos humanos pode causar, além da anemia, anorexia, sensibilidade óssea e a clima frio, prisão de ventre, distúrbios digestivos, tontura, fadiga, problemas de crescimento, irritabilidade, inflamação da língua.  Portanto, também temos aí uma grande importância do Ferro em nosso corpo, onde a vibração de Ogum também é atuante.
Ogum nos move, é a direção para o campo de batalha, é a força que nos dá a esperança e nos anima para continuar lutando, é uma vibração muito evocada, juntamente com exu, para vencer demandas, desfazer malefícios causados por espíritos de baixo grau evolutivo.
NA Umbanda da qual eu acredito, todos os filhos possuem um caboclo de Ogum, a falange de Ogum é muito vasta, tentarei esmiuçar um pouco aqui para evitar confusões, na Umbanda recebemos algumas qualidades de Ogum, que vem como caboclos representantes dessa qualidade, não vamos misturar os caboclos falantes que atuam nos passes, consultas da casa com os caboclos que aqui representam a qualidade do Orixá, vou explicando gradativamente para que não haja confusão, mas abaixo citarei as qualidades de Ogum na Umbanda que já presenciei:
Ogum Beira-Mar
Uma das linhas mais populares de Ogum dentro da nossa Umbanda, é o Ogum que ronda as praias e águas salgadas, é o Ogum que zela e ronda no campo Santo de Iemanjá, é o Ogum que atua sob os auspícios da vibração de Iemanjá. É o chefe da falange de Ogum que atua nos mares e praias. Seu brado se dá de uma forma interessante, ele puxa o ar com a boca aberta emitindo um ruído estranho. Sua oferenda geralmente é um peixe ou camarão, suas cores são o vermelho, o branco e o azul claro (Cor de Iemanjá), aceita cerveja preta ou clara, também já vi alguns recebendo vinho branco e charuto. Alguns caboclos dessa falange são: Sete Ondas, Marinho, Sete Mares, Ogum da Praia.
Ogum Matinata
É um Ogum que atua sob a vibração de Oxalá, o Ogum de Branco, é um Ogum que atua nos montes altos verdejantes, sua ronda ocorre no campo santo de Oxalá, as colinas, as montanhas, os locais altos onde a energia do Sol é refletida para os locais mais baixos. É um tipo de Ogum muito raro, eu só presenciei uma vez e sei muito pouco sobre ele.
Ogum Rompe-Mato
É a falange que atua sob os domínios de Xangô e Oxóssi, é o Ogum que ronda as matas e cachoeiras, é interessante não confundir Ogum Rompe-Mato com Caboclo Rompe-Mato, levam o mesmo nome, porém suas vibrações e formas de atuações são bem distintas. Sua manifestação no médium é parecida com a de um caboclo, até seu brado geralmente é longo e seco e bate muito a mão no peito. Suas cores são o verde e o vermelho, juntas formam o marrom. Suas oferendas geralmente são frutas, cerveja e charuto. Nessa falange também existe Ogum Sete Espadas, Ogum Caçador, Ogum Sete Matas, Ogum Sete Cachoeiras. Um Ogum muito conhecido que atua nessa falange é Ogum Xoroquê, um Ogum que atua nos dois extremos, a vibração negativa e positiva de Ogum.
Ogum Iara
É a falange de Ogum que atua nos rios, sob os auspícios de Oxum, é o Ogum das águas doces, dos pântanos, geralmente vêem com as mãos espalmadas simbolizando conchas, mas também já vi manifestações com as mãos fechadas ou apenas os indicadores espalmados. Ele ronda os rios e alguns as cachoeiras, juntamente com Ogum Rompe-Mato, suas cores são o vermelho e o branco, alguns o vermelho e amarelo. Suas oferendas são semelhantes ao do Ogum Rompe-Mato. Alguns caboclos dessa falange são: Ogum dos Rios, Riacho Grande, Sete Rios.
Ogum Megê
Meji, do yorubá, duas faces, é a falange de Ogum que atua nos campos da vibração da direita e da vibração da esquerda, é um Ogum relativamente raro nos dias de hoje, sua falange se apresentam muito poucos, como Ogum Sete Catacumbas e Ogum Sete Estradas. Apenas vi um Ogum dessa falange, outro muito conhecido que pode vir sob os auspícios dessa vibração, seria Ogum Xoroque. É uma vibração de Ogum que atua nos cemitérios ou encruzilhadas, por trabalhar diretamente com Exú, tem uma vasta falange de exus sob seus domínios, é um Ogum extremamente eficiente para desmanche de trabalhos e atuação para quebrar demandas. Atua também no cemitério juntamente com Obaluaie.
Ogum Dele ou Dilei
É uma falange muito rara de se apresentar, em minha opinião é a falange onde carrega a vibração pura de Ogum, tive a oportunidade de presenciar poucos médiuns que carregam essa vibração de Ogum, ambos são relativamente velhos, porém imponentes, suas oferendas se dão na estrada ou em montes altos verdejantes, sua hora de ronda se dá às 06:00 da manhã, costuma-se nessa hora pedir proteção ao Sr. Ogum Dilê que é sua hora de ronda. Os antigos Umbandistas, principalmente os chefes de terreiro, costumavam acordar cedo e fazer suas oferendas e preces justamente essa hora solicitando proteção.
Eu já senti a vibração dessa falange, é uma vibração extremamente sutil e poderosa, algumas literaturas também enfatizam que é uma falange que atua também nos campos de Xangô, mas somente o médium que o carrega pode dizer claramente como ele é ou como ele trabalha, pois como sempre digo, cada entidade tem a sua forma particular de trabalho.
Existem outras falanges, como Ogum Nagô, Ogum Naruê, Ogum Malei, que também atuam fortemente na vibração da esquerda, são Oguns que tem como grande poder o feitiço e o exímio conhecimento da Quimbanda, raramente se manifestam atuando somente nos bastidores.
SE alguém quiser saber mais informações, basta me escrever e tão logo tentarei responder sua pergunta.
Paz Profunda

domingo, 22 de abril de 2012

Bebidas nos Trabalhos



Muito se comenta, se fala ou critica-se o uso de bebidas alcoólicas nos trabalhos de Umbanda;

Nos hospitais não se usa o álcool para limpar as mãos antes de ter contato com algum enfermo?

Não se usa álcool para limpeza de equipamentos hospitalares?
Ele serve para desinfetar nossas mãos ou materiais a serem usados de bactérias que podem ser nocivas a nós ou ao enfermo.

O mesmo se faz nos trabalhos, o álcool serve para desintegrar energias nocivas impregnada nas pessoas e assim como as bactérias não são visíveis ao olho humano, mas estão ali.

È obvio que nossos queridos Pretos Velhos, Caboclos, Baianos, Marinheiros, Compadres e todos os outros não bebem porque gostam, porque ainda tem algum apego a esse ato, mas sim para limparem a pessoa.

Não penso que quando algum guia abusa no uso da bebida, devamos perguntar-lhe qual o motivo, não acho que devamos lembrá-lo que ele precisa deixar seu médium limpo.
Penso que o guia nunca abusa, ele usa o que precisa, o abuso em minha opinião vai do médium, pois como sabemos hoje a maioria de nós médiuns somos conscientes.

Como disse o guia usa o necessário, mas nós podemos querer mais, mostrar que nosso guia é forte e elegante segurando uma taça de vinho, ou um copo de bebida destilada.
Pura inexperiência, com certeza no dia seguinte não passaremos um bom dia, imaginemos que temos um carro e nele cabem cinco pessoas, mas precisamos colocar 10 pessoas ali, impossível, o mesmo acontece nos trabalhos, se nosso guia usou dois copos de vinho, ele ira levar os mesmos dois embora, ficando o que bebemos daí para frente sobre nossa responsabilidade.

Com o tempo com certeza nossos médiuns mais novos vão aprendendo a controlar essa ânsia, mas o mais importante em minha opinião é não culpar o guia, dizendo que ele não levou tudo embora, isso é uma covardia, é fácil usar essa desculpa, difícil é assumir nossa falha...

Isso acontece mais frequentemente do que imaginamos, o importante é tirar lição disso e ter certeza que os trabalhos de Umbanda são sérios, erros todos cometemos, mas persistir no erro ai sim o médium estará se desvirtuado.

Confesso que a uns cinco anos após um trabalho de Marinheiros, passei por essa experiência, foi muito confusa, muito constrangedora para mim, pois sei que falhei, mas em momento algum cobrei meu querido amigo Zé do Porto por isso. Daí para frente meu controle melhorou e graças a Oxalá não passei mais por isso.

Assumir uma falha como essa é difícil, mas necessário para outros não passem pela mesma situação.
Pai Joãozinho Galerani
Jornal Nacional da Umbanda - Edição 29

terça-feira, 17 de abril de 2012

A NOVA "VELHA" UMBANDA.




Por: Pai Joãozinho

Há mais de cem anos, quando a Umbanda começou em uma casinha simples, com pessoas simples e apenas uma rosa na mesa para enfeitar a sala, havia muita simplicidade, muita humildade, muito a se aprender e desenvolver.

Comecei a Umbanda para atender pessoas quer não eram aceitas em outras religiões ou em outras casas de “caridade”. Comecei também para dar oportunidade a centenas e centenas de Espíritos que queriam ajudar e lutar pelos que precisam, mas também não eram aceitos em outros “Centros Espíritas”, pois não tinham ou apenas não se apresentavam com nenhum grau de superioridade.

Existe ai um grande choque de interesses. Se a maioria das religiões prega que todos são iguais, porque uma pessoa de chinelo e calça de algodão ou flanela que entra em uma Igreja ou em um Centro é colocada nas ultimas fileiras e as pessoas de fino porte têm os melhores lugares para receberem as bênçãos?

Não seria o contrario?

Ou melhor, não seria nada. Chega e se pega o lugar!

Pois, independente da situação financeira todos têm suas necessidades, problemas e duvidas a serem escutadas.

Mas, do jeito que muitos falam e escrevem por ai, parece que as pessoas de situação financeira melhor são más, são egoístas, e isso é um erro, pois quem faz a seleção das pessoas e espíritos que irão, e aonde participarão das missas ou das sessões são os organizadores das mesmas.

Por esses motivos começamos a desenvolver a Umbanda, sem preconceitos, sem diferença entre indivíduos, com muito amor, caridade e sem esperar nada, mas nada mesmo em troca!

Isso é a Umbanda que eu plantei e que tem que ser vista como o pronto socorro para os seguidores das outras religiões.

Quando uma pessoa se machuca e quebra um braço, por exemplo, ela é levada imediatamente ao pronto socorro, onde, sem demora, sem mais perguntas é atendida, volta uma ou duas vezes para ver como esta a fratura, depois ela retira o gesso e some do pronto socorro.

Some, mas sempre se lembrara que, em uma situação difícil poderá voltar e, com certeza, será atendida novamente.

Pois bem!

Isto deve ser feito também nos Terreiros de Umbanda, onde muitas pessoas de varias religiões acabam vindo em momentos de desespero, recorrendo ao “pronto socorro espiritual” onde, sem nem mesmo se converter a nossa religião, devera ser atendida com o mesmo carinho e atenção que qualquer outro frequentador deles. Ela também poderá ter que voltar 2 ou 3 vezes para finalizar o tratamento e depois também sumirá. Mas no fundo de seu coração será sempre grata e sabe que se um dia precisar as portas estarão abertas a ela.

Hoje me entristece muito ver Terreiros de Umbanda se transformando em Shows, em Circos. Ver Alguns cobrando consultas, cobrando para fazer “trabalhos”. A Umbanda não faz trabalhos remunerados!

Vejo Pais de Santo sendo idolatrados como “Santo”, Pais de Santo maltratando seus filhos, escolhendo quem irá ter a “honra de falar com seu guia”.

Outros, e esses em minha opinião são os mais errados, que não deixam seus filhos se desenvolverem corretamente, inventado obrigações que não existem. Fazem isso para serem os centros das atenções.

Aí começa o erro, pois SOMOS TODOS IGUAIS.

Por esses motivos e mais alguns outros que muito nos magoam, é que nós, do plano espiritual, mentores da Umbanda, estamos estudando cada Terreiro de Umbanda, cada Médium, cada Cambono, cada Ogã e cada Pai de Santo, para começarmos a refazer a Umbanda, começarmos novamente, como fizemos há cem anos.

E isso já esta acontecendo. Iremos cuidar de acertar cada Terreiro, cada médium, cada cambono, cada Ogã e cada Pai de Santo para tomarem esse caminho e os que não se enquadrarem serão encaminhados para outros centros, mas não os de Umbanda. Ou simplesmente irão se afastar.

Precisamos colocar os pés no chão e nos lembrar dos primeiros ensinamentos: ter humildade, amor, solidariedade, etc.

Estamos com muita força e proteção para esse trabalho, pois se há cem anos começamos em uma tapera pequena e chegamos ate aqui, com certeza, conseguiremos alinhar tudo que é necessário.

Psiocografia :Gabriel Malagrida.

terreirodavobenedita@gmail.com

terreirodavobenedita.blogspot.com

Jornal Nacional de Umbanda, edição 21.


Trabalhos de Cura 04/2012















segunda-feira, 16 de abril de 2012

Exu Rei das 7 Encruzilhadas



***

Mensagem: Seu Rei das Sete Encruzilhadas ( Asthariot )
Escritor: George Rosa de Souza

Lá do Céu um anjo fugiu……………

E assim tudo começou , pois com a revolta dos Anjos, O Maioral por não querer acatar as ordens do Criador em não permitir que fossem informados aos demais seres existentes no infinito acerca da luz (verdade) e a fé (esperança), sobre a o origem da criação e o fim dos seres, a falange dos Anjos comandada por Luz e Fé, abandonaram os convívios celestiais do Planeta Phetos para viverem nos diversos planetas do sistema solar universal.

Com o passar do tempo, aqueles Anjos foram tomando o corpo físico dos habitantes dos diversos planetas e sóis e para conviverem com os mesmos sem demonstrar físico diferente.

Dessa forma, veio a Terra, è época denominada Lemúria o Duque de Luz e Fé, o Asthariot, que adentrou-se como uma lava e tomou a forma do ser humano, tornando-se um Rei, pois nenhum exército o destruía, inclusive a Biblia faz menção sobre o Rei Asthariot. Foi destruído por seu filho, que também adotou a forma de ser humano, mas ambos eram formado de asas duplas que lhes permitiam o vôo.

E foi morar na encruzilhada………….

As encruzilhadas são um enigma na vida do ser humano, pois no céu, no mar, na terra existem encruzilhadas. No céu e no mar é o encontro das rotas dos aviões e dos navios e submarinos. Na terra temos as estradas e as ruas. Na mente do ser humano a encruzilhada é o local donde partem quatro caminhos, cabendo ao ser humano optar por aquele que melhor atenderá as suas necessidades. Alguns caminhos levam a verdade, outros a fortuna, outros a doença e outros a morte.

Que anjo é esse que dá risada……..

Os anjos não falam, apenas através do poder da mente transmitem mentalmente ao ser humano o que naquele momento deverá ser feito para sua necessidade. Ao dizer a palavra risada, tem-se como um deboche da vida terrena,
pois o terráqueo é ambicioso, e cada vez mais dá a sua alma em troca da prosperidade.

Ele é o seu eshu……………..

Eshu, sim este é o nome correto. O Eshu é o senhor da verdade e da esperança. Ao se dizer ele é o seu eshu, significa que ele tem o dom de dominar você.

Rei das Sete encruzilhadas

Sete encruzilhadas, sete caminhos, sete estradas, sete destino, seja na Terra, no Ar e no Mar……………………….

Deu meia noite, é madrugada

Deu-se a hora grande, iniciou-se a madrugada

Ele é o seu eshu……………..

Rei das Sete encruzilhadas

Sete vezes no caminho,
Sete vidas um destino,
Sete amores são a história,
Desse exu trabalhador
Com ele sempre ao meu lado
Sei que estarei de pé.
Salve 7 encruzilhadas
O meu amigo de fé!
Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguem reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento..."
Joaozinho

paijoaozinho@terreirodavobenedita.com