Horários De Atendimento

Segundas - 20 Hs - Mãe Ana e Pai Afonso.
Quartas - 20 Hs - Mãe Hosana e Pai Ney.
Quintas - 20 Hs - Mãe Gislaine e Pai Afonso.
Sextas --- 20 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.
Sábados - 19 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.

Primeira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Segunda Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira da Corrente do Dr. Adolfo Bezerra de Menezes.
Terceira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Quarta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Cigana.
Quinta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Fechada.

Primeiro Sábado do mês - 15 Hs - Jardins de Aruanda.

Endereço - Rua Meciaçu 145 Vila Ipê - Campinas SP.

sexta-feira, 30 de março de 2012

PORQUE A UMBANDA SEPAROU-SE DA MESA BRANCA


A separação da Umbanda do culto Kardecista deu-se de forma radical, é claro que cada um teria que ter suas sessões próprias, mas isto não quer dizer que teriam de deixar de serem írmãos, pois dependendo do caso e da necessidade de cada írmão o mesmo seria atendido por este ou por aquele, e o médium cumpriria a sua missão aonde o seu coração lhe pedisse. No entanto na época ,um grupo sem estarem incorporados em nenhum de seus mentores, falando por si próprios, alimentados pelo preconceito não se dispuseram nem a tentar conhecer os novos mentores que se apresentavam.


Veja história verídica abaixo.

Vale a pena conhecer.


Como Surgiu a Umbanda
...Dedicar integralmente o tempo das sessões ao atendimento aos necessitados, Zélio Fernandino de Morais, médium que recebeu o caboclo das sete encruzilhadas, o fundador da umbanda no Brasil, desencarnou em outubro de 1975, aos 84 anos de idade. De seu trabalho incansável resultou a umbanda de hoje, que é sem dúvida, a religião que mais cresce no Brasil.

...Da atitude de Zélio de Moraes que, incorporado, declarou estar “faltando uma flor” , na mesa da Federação Espírita de Niterói, surgiu uma das curimbas (pontos cantados) mais belas da umbanda, que diz:

“Surgiu no jardim mais uma flor,
Mamãe Oxum trazendo paz e amor.

Que vai crescendo, pôr este imenso Brasil.
Bandeira branca de Oxalá, força do além,
Mãe caridosa que ao mundo deseja o bem...
vai sempre em frente em frente ,
ó minha umbanda querida,
leva a doçura da vida para aqueles que não têm !....”

...Em fins de 1908, uma família tradicional de Neves, Estado do Rio de Janeiro, foi surpreendida pôr uma ocorrência que tomou aspecto sobrenatural: o jovem Zélio Fernandino de Moraes, que fora acometido de estranha paralisia, que os médicos não conseguiam debelar, certo dia ergueu-se do leito e disse “Amanhã estarei curado”.


...No dia seguinte, levantou-se normalmente e começou a andar, como se nada, antes, lhe houvesse tolhido os movimentos. Contava apenas dezessete anos e destinava-se a carreira militar na marinha.


...A medicina não soube explicar o que tinha ocorrido. Os tios, que eram padres católicos, foram colhidos de surpresa e nada disseram sobre a misteriosa ocorrência.


...Um amigo da família sugeriu, então, uma visita à Federação Espírita de Niterói, presidida por José de Souza, na época.

No dia 15 de novembro de 1908, o jovem Zélio foi convidado a participar de uma sessão e o dirigente dos trabalhos determinou que ele ocupasse um lugar à mesa.

...Tomado por uma força estranha e superior a sua vontade, contrariando as normas que impediam o afastamento de qualquer dos componentes da mesa, o jovem Zélio levantou-se e disse :
...- Aqui está faltando uma flor!, e retirou-se da sala. Pouco depois, voltou trazendo uma rosa, que depositou no centro da mesa.

Essa atitude insólita causou quase um tumulto. Restabelecida a “corrente”, manifestaram-se espíritos, que se diziam de pretos escravos e de índios ou caboclos, em diversos, médiuns. Esses espíritos foram convidados a se retirar pelo presidente dos trabalhos, advertidos do seu atraso espiritual.

...Foi então que o jovem Zélio foi novamente dominado por uma força estranha, que fez com que ele falasse sem saber o que dizia (De acordo com depoimento do próprio à revista Seleções de Umbanda, em 1975.).

Zélio ouvia apenas a sua própria voz perguntar o motivo que levava os dirigentes dos trabalhos a não aceitarem a comunicação desses espíritos e pôr que eram considerados atrasados, se apenas pela diferença de cor ou de classe social que revelaram ter tido na sua ultima encarnação. Seguiu-se um diálogo acalorado, e os responsáveis pela mesa procuraram doutrinar e afastar o espírito desconhecido, que estaria incorporado em Zélio e desenvolvia um argumentação segura.

Um dos médiuns videntes perguntou , afinal:
- Porque o irmão fala nesses termos, pretendendo que esta mesa aceite a manifestação de espíritos que pelo grau de cultura que tiveram, quando encarnados são claramente atrasados? E qual é o seu nome irmão?

Respondeu Zélio , ainda tomado pela força misteriosa:
- Se julgam atrasados esses espíritos dos pretos e dos índios, devo dizer que amanhã estarei em casa deste aparelho ( o médium Zélio) para dar início a um culto em que esses pretos e esses índios poderão dar a sua mensagem e, assim , cumprir a missão que o plano espiritual lhes confiou.

Será uma religião que falará aos humildes , simbolizando a igualdade que deve existir entre todos os irmãos, encarnados e desencarnados.
E , se querem saber o meu nome , que seja este : “Caboclo das Sete Encruzilhadas”, porque não haverá caminhos fechados para mim.

O vidente interpelou a Entidade dizendo que ele se identificava como um caboclo mas que via nele restos de trajes sacerdotais.

O espírito respondeu então:
- O que você vê em mim são restos de uma existência anterior. Fui padre e meu nome era Gabriel Malagrida. Acusado de bruxaria fui sacrificado na fogueira da Inquisição em Lisboa, no ano de 1761. Mas em minha última existência física, Deus concedeu-me o privilégio de nascer como caboclo brasileiro.

- Julga o irmão que alguém irá assistir ao seu culto?, perguntou, com ironia, o médium vidente; ao que o caboclo das sete encruzilhadas respondeu:

- Cada colina de Niterói atuará como porta-voz, anunciando o culto que amanhã iniciarei!
Zélio de Morais contou que no dia seguinte , 16 de novembro , ocorreu o seguinte:

- Minha família estava apavorada. Eu mesmo não sabia explicar o que se passava comigo. Surpreendia-me haver dialogado com aqueles austeros senhores de cabeça branca, em volta de uma mesa onde se praticava para mim um trabalho desconhecido.

Como poderia, aos dezessete anos, organizar um culto? No entanto eu mesmo falara, sem saber o que dizia e por que dizia.
Era uma sensação estranha: uma força superior que me impelia a fazer e a dizer o que nem sequer passava pelo meu pensamento.

- E, no dia seguinte em casa de minha família, na Rua Floriano Peixoto, 30, em Neves, ao se aproximar a hora marcada , 20 horas , já se reuniam os membros da Federação Espírita , seguramente para comprovar a veracidade dos fatos que foram declarados na véspera, os parentes mais chegados, amigos, vizinhos e , do lado de fora, grande número de desconhecidos.

Às 20 horas , manifestou-se o Caboclo das Sete Encruzilhadas.
Declarou que se iniciava naquele momento, um novo culto em que os espíritos de velhos africanos, que haviam servido como escravos e que, desencarnados, não encontravam campo de ação nos remanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas quase exclusivamente para trabalhos de feitiçaria , e os índios nativos de nossa terra poderiam trabalhar em benefício dos seus irmãos encarnados, qualquer que fosse o credo e a condição social.

A prática da caridade , no sentido do amor fraterno, seria a característica principal desse culto, que teria pôr base o Evangelho de Cristo e, como mestre supremo Jesus.

O Caboclo estabeleceu as normas em que se processaria o culto: sessões , assim se chamariam os períodos de trabalho espiritual, diárias das 20 às 22 horas, os participantes estariam uniformizados de branco e o atendimento seria gratuito.

Deu, também, o nome desse movimento religioso que se iniciava; disse primeiro allabanda (ou um dos presentes assim anotou) mas considerando que não soava bem a sua vibratória, substituiu-o por Aumbanda, ou seja Umbanda , palavra de origem sânscrita que se pode traduzir por “Deus ao nosso lado”, ou “o lado de Deus”.

Muito provavelmente, ficou o nome umbanda , e não Aumbanda, porque alguém anotou a palavra separadamente (a umbanda).

A casa de trabalhos espirituais, que no momento se fundava, recebeu o nome de Nossa Senhora da Piedade, porque assim como Maria acolhe o Filho nos braços, também seriam acolhidos, como filhos, todos os que necessitassem de ajuda ou de conforto.

Ditadas as bases do culto , após responder, em latim e em alemão às perguntas dos sacerdotes ali presentes, o Caboclo das Sete Encruzilhadas passou a parte pratica dos trabalhos, curando enfermos, fazendo andar aleijados.

Antes do término da sessão, manifestou-se um preto velho. Pai Antônio, que vinha completar as curas.

Segundo o jornal Gira de Umbanda (n.º 19 “As Verdadeiras origens da Umbanda do Brasil”), foi esse guia quem ditou o ponto hoje cantado no Brasil inteiro “Chegou, chegou, chegou, com Deus, chegou, chegou o Caboclo das Sete Encruzilhadas”.


Nos dias seguintes, verdadeira romaria se formou na Rua Floriano Peixoto, n.º 30, em Neves.
Enfermos , cegos, paralíticos, vinham em busca de cura e ali encontravam , em nome de Jesus. Médiuns (cuja manifestações haviam sido consideradas loucuras) deixaram os sanatórios e deram provas de suas qualidades excepcionais.

Estava fundada a umbanda no Brasil. 15 de novembro seria posteriormente, dia nacional da umbanda.


Cinco anos mais tarde, manifesta-se o orixá Malé exclusivamente para a cura de obsedados e o combate aos trabalhos de magia negra (obs. Orixá, na realidade não incorpora, apenas manda sua vibração à terra, é comum no estado do Rio, trata-se de um guia espiritual pela denominação do orixá segundo Ivone Mangie Alves Velho, em seu livro Guerra de Orixá).


Dez anos após a fundação da Tenda Nossa Senhora da Piedade (registrada como tenda Espírita , porque não era aceito na época, o registro de uma entidade com especificação de umbanda), o Caboclo das Sete Encruzilhadas declarou que iniciava a segunda parte de sua missão: a criação de sete templos , que seriam o núcleo do qual se propagaria a religião da umbanda.


Em 1935, estavam fundados os sete templos idealizados pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas , sendo curiosa a fundação do sétimo , que receberia o nome de Tenda São Gerônimo (a casa de Xangô).
Faltava um dirigente adequado ao mesmo, quando numa noite de quinta feira, José Alvares Pessoa, espírita e estudioso de todos os ramos do espiritualismo, não dando muito crédito ao que lhe relatavam sobre as maravilhas ocorridas em Neves , resolveu verificar pessoalmente o que se passava.

Logo que assomou à porta da sala em que se reuniam os discípulos do Caboclo das Sete Encruzilhadas, este interrompeu a palestra e disse:

- Já podemos fundar a Tenda São Jerônimo. O seu dirigente acaba de chegar.

O Sr. Pessoa ficou muito surpreso, pois era desconhecido no ambiente. Não anunciara a sua visita e viera apenas verificar a veracidade do que lhe narravam.
Após breve diálogo em que o Caboclo das Sete Encruzilhadas demonstrou conhecer a fundo o visitante, José Alvares Pessoa assumiu a responsabilidade de dirigir o último dos sete templos que a entidade criava.

Dezenas de templos e tendas porém , seriam criados posteriormente, sob a orientação direta ou indireta do Caboclo das Sete Encruzilhadas.



Em 1939, o Caboclo das Sete Encruzilhadas determinou que se fundasse uma federação (que posteriormente passou a à denominação de União Espírita de Umbanda do Brasil, segundo relata Seleções de Umbanda n.º 7 1975), para congregar templos Umbandistas e que deveria ser o núcleo central desse culto, em que o simples uniforme branco de algodão, dos médiuns estabelecia a igualdade de classes e a simplicidade do ritual permitia.



Texto extraído do JUS-JORNAL DE UMBANDA SAGRADA –

Por quê, nós Umbandistas...?


Por que nós umbandistas insistimos em ficar discutindo quais são os Orixás que devem ser cultuados na Umbanda e nos esquecemos que, independentemente dos nomes, Eles são um complexo vibracional e energético representados pelas Forças da Natureza?
Por que, nós umbandistas, que cultuamos as Forças da Natureza, como manifestação Divina de Sua Infinita Sabedoria e Misericórdia, somos os primeiros a sujá-las com despachos e oferendas e quase nunca limpando o que sujamos?
Porque nós umbandistas, corremos de terreiro em terreiro somente para criticar este ou aquele dirigente, nos esquecendo que mesmo sendo diferentes de nossa maneira de pensar, estão praticando Caridade?
Por que nós umbandistas, não nos preocupamos mais com os falsos "Pais no Santo"? Por que nos limitamos em dizer que está errado cobrar trabalhos ou consultas, assediar sexualmente, obter benefícios materiais com a prática da religião e não tomamos uma atitude mais enérgica?
Por que, nós umbandistas, não buscamos nos instruirmos mais para podermos esclarecer mais?
Porque, nós umbandistas, ao invés de nos orgulharmos das entidades que trabalhamos, e vivermos dizendo que foi "meu caboclo que resolveu", não buscamos ser motivo de orgulho para elas vivenciando as suas mensagens?
Por que, nós umbandistas, afirmamos que respeitamos todas as religiões, quando não conseguimos respeitar ou compreender, uma pequena discrepância litúrgica, natural de se encontrar de terreiro para terreiro?
Por que nós umbandistas, quando questionados sobre qual religião seguimos, dizemos quando muito, que somos espíritas, quando não o somos?
Precisamos parar de mentir para nós mesmos e de desrespeitar os ensinamentos valorosos da Umbanda! Precisamos parar de sermos omissos. Precisamos deixar de ter "vergonha" de dizer que SOMOS UMBANDISTAS! Precisamos compreender melhor a Umbanda e a nossa missão e objetivos dentro Dela!
Porque ser umbandista não é só colocar a roupa branca e ir para o terreiro. É ter a mente e o coração limpos de interesses escusos. É ser humilde e caridoso!
É carregar a bandeira da Umbanda com Amor e Fé!
Precisamos aprender a SER UMBANDISTAS DE VERDADE! Porque ser Umbandista é SER EXEMPLO DE MORAL E VIRTUDE!
Mãe Iassan Ayporê Pery
Dirigente do Centro Espiritualista Caboclo Pery


http://www.caboclopery.com.br

domingo, 25 de março de 2012

Aviso

Conforme orientaçao de Sr. Joao Caveira,

Nos trabalhos dos dias 30 e 31 trabalhalermos com

Exus e Bobo-Giras.

Nos dias 6 e 7 de Abril, não teremos atendimento a assistenacia.

Os trabalhos serão apenas no dia 06-04 com a nossa tradicional Gira das 7 linhas, começando as 15 horas e seguindo essa programação:

1-Abertura dos Trabalhos

2 – Lavagem das Guias e Cabeças

3 –Passagem aos Orixas

Oxala – Ogum – Oxossi – Yansa – Oxum – Cosme Damiao

Oxumare – Nana – Xango – Yemanja – Obaluae - Oxumare

4 - 20 Minutos cada Linha

Preto Velhos - Cosme Damiao -Caboclo - Boiadeiro

Baianos - Marinheiros – Exu Mirim – Bobo-Gira

Exu.

Poderemos fazer pausa entre as linhas.

Cada um devera levar os apetrechos para os trabalhos de seus guias.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Para refletir


Nos Umbandistas, Cambonos, Mediuns, Ogãs, Pais de Santo, não somos a salvação, o perdão ou a solução para ninguém, somos apenas o caminho para algumas pessoas, e essas pessoas também tem que ter o merecimento necessário para conseguirem algo a mais, qualquer pensamento alem disso de nossa parte esta totalmente equivocado e fora da realidade Umbandista.

Joaozinho Galerani

Laroiê Exu!


Laroiê Exu!

Escrito por Cristiano Janjacomo
(Publicado em 04/10/2011)

Salve leitor de nosso Falando de Umbanda!

Hoje, atendendo a vários pedidos que temos recebido por e-mail desde o início de nosso Falando de Umbanda, vamos bater um papo rápido sobre os Exus, em sua linha de trabalho.

Algo que todos sabemos é o cumprimento típico para Exu: Laroiê Exu. Exu Modjuba (se lê Mojubá).

Aqui já vem a primeira dúvida: eu sei que devo cumprimentar Exu, Pomba-Gira e Exu Mirim desta forma, mas afinal de contas, o que quer dizer isso tudo?

Na verdade são termos em Yorubá e não temos como traduzi-los para o português em uma única palavra certeira. Então podemos traduzir desta forma:

Laroiê: olhe por mim, me guarde, me proteja, vamos trabalhar etc.

Modjubá quer dizer: você é grande ou eu me curvo a você.

Vale ressaltar que Laroiê é um cumprimento exclusivo da linha da esquerda, mas Modjubá ou Mojubá é um cumprimento comum. Eu posso dizer “Modjubá, minha Mãe de Santo”, “Modjubá Fulano de Tal”, e assim por diante.

E quem são essas entidades? São atrasados na escala evolutiva? Por que bebem e fumam quando estão incorporados nos médiuns?

Os Exus (e deste ponto em diante vou utilizar a palavra Exu para me referir a Exu, Pomba-Gira e Exu Mirim através de um único termo, apenas para evitar repetições) são guardiões, são trabalhadores da Luz nas trevas, pois eles são portadores de mistérios que os permitem entrar e sair nos níveis mais densos da negatividade, sem que sofram danos em seu corpo astral. Eles não são demônios como certas igrejas tentam rotulá-los. Tanto que Exu fala naturalmente sobre Jesus e Deus (embora isto deixe perplexas algumas pessoas), mas entenda que eles trabalham para a Luz e só podem estar trabalhando na Umbanda porque têm a permissão de Deus para tal.

Quando temos nossas quedas na escala evolutiva e somos absorvidos pelas trevas (tudo de acordo com nosso merecimento ou necessidade), são eles os responsáveis em nos preparar para voltarmos à evolução, nos preparar para reconhecermos nossos erros, falhas e vícios humanos – motivos de nossa queda astral, ou seja, em outras palavras, são eles os responsáveis no resgate e reequilíbrio mental de espíritos caídos.

Exu também já caiu em sua escala evolutiva e usa seus próprios erros e sofrimento para nos ajudar a não termos o mesmo destino que tiveram. Por isso eles são tão próximos a nós encarnados e tentam nos aconselhar e abrir nossos olhos, pois ninguém consegue evoluir sem conhecer o erro ou sofrimento na carne.

Exu lida diretamente com nosso ego, com a vaidade, com tudo aquilo que está de mais em nós. Ele não incita o mal ou a violência, ele não é a inversão do que é bom, mas sim desafiador nato de quem está com valores invertidos, pois isso precisa ser tratado em cada um de nós, se queremos ascender a mundos mais evoluídos, espiritualmente falando.

E se eu não oferendar a Exu? Ele me castigará mesmo? Irá atrapalhar os trabalhos de minha Casa?

De forma alguma. Se Exu é um Guardião da Luz, como ele iria se portar contra a Lei Maior, atrapalhando um trabalho que está sendo exercido por obreiros da Luz Maior?

É óbvio que Exu nunca faria isso. Mas para que Exu possa trabalhar em sua plenitude e guardar os trabalhos, nós precisamos ofertar elementos magísticos para que ele possa utilizar em nossa proteção. Aqui estamos falando da água, da farinha de mandioca, das frutas, da pinga, da vela etc. Todos estes itens têm sua importância magística e será utilizada por eles para a guarda dos trabalhos.

Então já deixamos outro mito de lado: o padê na Umbanda não é para “alimentar” Exu (dar de comer), mas sim ofertar a ele elementos que possam ser utilizados para a nossa proteção. Isto é sinal de respeito a Exu e uma demonstração que você não está de braços cruzados, esperando que ele faça tudo, mas sim está juntando suas forças às dele afim de um bem comum.

Exu age sempre e somente dentro dos limites da Lei Maior, ou seja, Exu não prejudica nenhum encarnado, a menos que a Lei o ordene e mesmo quando isto é feito, por pior que possa parecer, é algo que aquela pessoa precisa para se recuperar e voltar à evolução. “Exu não castiga um inocente, mas não perdoa um culpado” – trecho do livro O Guardião da Meia Noite, de Rubens Saraceni (Editora Madras).

Nas Giras de Falanges da Direita, é Exu quem protege e guarda a gira, faz a segurança astral contra negatividade, kiumbas e obsessores.

Quando incorporados em seus médiuns, Exu podem fazer uso de cerveja, pinga, whisky, charuto, cigarro, cigarrilha, espumante, entre tantos outros elementos. Não o fazem por uma necessidade espiritual, isto é óbvio, pois são mais evoluídos do que nós encarnados. Fazem com a intenção de manipular estes elementos de poder e magísticos (álcool e fumaça das ervas, por exemplo) para ajudar a quem estão atendendo, seja para quebra de energias negativas mais densas (descarrego) ou qualquer outra função específica em cada caso.

Aqui vale um alerta sobre as Pomba-Giras quando incorporadas em seus médiuns. Elas podem ser sensuais, mas nunca vulgares. Atenção!

Saravá às entidades que militam na corrente da Esquerda umbandista! Obrigado por toda proteção e amparo em nossa caminhada e em nossas Casas de Trabalho. Que vocês estejam sempre a nos proteger contra as investidas da negatividade e nos alertar quanto as nossas falhas.

Laroiê Exu. Exu Modjuba!

Agradeço por sua leitura e espero ter ajudado com este texto. Aproveite e deixe seu comentário para nós, pois sua participação é muito importante!


Axé a todos!

quarta-feira, 21 de março de 2012

DIA NACIONAL DA UMBANDA

Acabo de ser informada que a Comissão de Educação do Senado Federal, instituiu ontem, 20/03/2012, o dia 15 de Novembro como DIA NACIONAL DA UMBANDA.

Gratidão e agradecimentos mais do que especiais ao ex-deputado Carlos Santana (RJ) que entrou com o Projeto, ao amigo, irmão e deputado federal Vicentinho do PT (SP) que desde o primeiro momento abraçou a causa da comunidade umbandista, ao seu chefe de gabinete Paulo César pelo empenho e correria durante a última semana, e aos companheiros Cássio Ribeiro e Josa Queiroz presidente e vice da FUCABRAD, pelas inúmeras reuniões e idas à Brasília, e por acreditarem no nosso sonho.

Que nosso Pai Maior os abençoe. Hoje e sempre !!!

“Um sonho que se sonha só, é só um sonho, um sonho que se sonha junto, é realidade” (Paulo Freire)

Sandra Santos

Presidente da

AUEESP

sábado, 17 de março de 2012

Terreiro da Vó Benedita - Corrente de Pai Lazaro


Visando seguir o planejamento de nossos mentores, por instrução de Vó Benedita, estamos nos planejando para abrir nossa casa as quartas feiras também.

Já fomos cobrados pelos Mentores sobre abrir mais vezes a casa.

Então para podermos atender as pessoas com o carinho necessário e também dar possibilidades para médiuns se desenvolverem e trabalharem, dentro das Leis da Sagrada Umbanda, estaremos formando mais uma corrente, será denominada, Terreiro da Vó Benedita – Corrente de Pai Lazaro.

Esta corrente será dirigida pelo Sr. Ney, que formara sua equipe, seguindo nossa linha de trabalho.

Filhos das nossas duas correntes que achem melhor trabalhar as quartas poderão ser encaixados nessas nova frente, que terá os horários de trabalhos das 19:30 as 21:30 a principio, podendo ser mudada a critério do Sr. Ney, conforme suas necessidades e possibilidades.

Pretendemos nos reunir após a quaresma para decidirmos demais detalhes e estamos esperando sugestões.

Lembrando que o Sr. Ney esta no terreiro desde o principio em 2003, tem todas as qualidades e conhecimentos necessários para essa nova empreitada e conta com total apoio de mim e de minha mãe.

Abraço a todos

Joãozinho Galerani

sexta-feira, 16 de março de 2012

SÃO JORGE E O DRAGÃO


Ivan da Cunha


Certa vez um andarilho resolveu mudar de cidade a fim de tentar melhor sorte em outro local. Como não tinha recursos, começou sua jornada caminhando por uma das maiores estradas do estado. Passados alguns dias estava faminto e exausto quando avistou um posto de combustível destinado a caminhoneiros. Neste local estes trabalhadores além de abastecerem seus veículos, tomam banho, alimentam-se e repousam por algumas horas.

O local tinha uma pequena estalagem e lhe chamou a atenção o nome do estabelecimento “São Jorge e o Dragão”. Resolveu bater a porta quando uma mulher com visível mau humor lhe atendeu: - O que deseja?

- Minha Senhora, estou caminhando há dois dias sem nada comer, não teria algo que pudesse me oferecer?

A mulher demonstrando profunda irritação lhe diz: - Mas o senhor é um vagabundo mesmo! Não tem mais o que fazer do que incomodar os outros? Ponha-se daqui para fora imediatamente... (e lhe bateu a porta na face com violência).

O pobre andarilho assombrou-se com a reação inesperada. Deu alguns passos para trás, olhou novamente o nome da estalagem, “São Jorge e o Dragão”, e resolveu bater novamente a porta.

Desta vez a mulher já o atendeu com a vassoura em mãos e irada lhe perguntou: - E agora o que deseja?

Respondeu-lhe o andarilho: - Bem, com a Senhora eu já falei, poderia agora falar com São Jorge, afinal o dragão já me atendeu não é?

Esta pequena história nos adverte sobre as fraquezas que ainda temos e precisam ser controladas. Geralmente quando somos incomodados e retirados de nossa zona de conforto quem primeiro atende a nossa porta é nosso dragão interior. Reagimos frente à grande maioria dos desafios de nossas vidas com irritação e azedume.

Desta forma nos cegamos frente às oportunidades que se apresentam nestes instantes e quando permitimos que nossos piores sentimentos sejam os primeiros a atender nossas necessidades uma montanha de problemas são gerados, portas são fechadas, amizades e lares são destruídos.

Controlar nossas atitudes intempestivas não é tarefa fácil e exige disciplina para que certos vícios de comportamento sejam domados. Resumindo, precisamos educar nosso íntimo.

Portanto, entender nossas emoções e lutar para corrigir certos temperamentos é medida acertada que evita dissabores e trás paz interior. E somente em paz podemos usufruir melhor dessa bela jornada chamada vida.

Pense nisso!

quarta-feira, 14 de março de 2012

FILHO DE FÉ TEM QUE TER DISCERNIMENTO.
FILHO DE FÉ NÃO PODE SAIR AJUDANDO OUTRAS PESSOAS SEM TER DOMÍNIO COMPLETO SOBRE A SITUAÇÃO.
NÃO PENSE QUE SÓ PORQUE AS ENTIDADES RECEITARAM PARA UMA PESSOA, QUE A MESMA RECOMENDAÇÃO SERVIRÁ PARA TODAS.
NÃO É PORQUE UM BANHO É BOM PARA VOCÊ, FILHO VAI E RECEITA À UMA PESSOA EM DIFICULDADES.
NÃO É PORQUE NO SEU CAZUÁ FAZ DE UM JEITO, QUE FILHO TEM QUE METER O BEDELHO NO CAZUÁ DE OUTROS IRMÃOS.
APRENDA PRIMEIRO, PARA DEPOIS QUERER ENSINAR.
FILHO TEM QUE ENTENDER QUE AINDA É APRENDIZ E APRENDIZ NÃO PODE SER PROFESSOR...
LEMBRE-SE, O CAMINHO É LONGO, O APRENDIZADO É DURO E SE LEVA MUITAS LUAS GRANDES PARA SE APRENDER O MÍNIMO NECESSÁRIO PARA AGIR SOZINHO E SEM CORRENTE DE VOSSOS IRMÃOS...
AO INVÉS DE FILHO AJUDAR O PRÓXIMO, PODE BOTAR TUDO A PERDER...
ADOREI AS ALMAS



Vaidade...boa e ruim...


Muito se fala que a vaidade atrapalha os médiuns, que temos que afastá-la de nossas casas, e concordo sim com isso.

Já tive em nosso Terreiro alguns casos, e infelizmente acabamos por perder a maior parte dos médiuns que se deixaram tomar por esse sentimento.

Alguns, mas a menor parte conseguimos recuperar, e colocar novamente no

Caminho correto.

È triste ver que alguns não caíram na real, mas quem sabe um dia, pois a vida é um aprendizado diário, de boas e más experiências, pois todos são muito queridos aqui ainda e sempre serão bem vindos,sempre!

A vaidade faz parte da vida do ser humano, não tem como abrir mão totalmente dela, ou não é normal as pessoas se arrumarem, terem vontade de serem elogiadas, estarem na moda..Mas precisamos sempre ter um limite, não deixar isso se tornar uma obsessão para não atrapalhar nossa caminhada, não apenas na religião, mas também em nossos serviços, em nossas famílias em nossas casas.

Todos temos alguma coisa de vaidade, mente que diz que não.

Minha vaidade por exemplo, é tentar ser o Melhor Pai de Santo que meus Filhos possam ter, vejam bem, não é ser o Melhor Pai de Santo, mas sim o melhor para meus Filhos.

Quero também que nosso centro seja o Melhor Centro para os que o escolheram, repito, não quero que seja o Melhor , mas sim o melhor para aqueles que a Espiritualidade colocou em nosso caminho.

Por isso Umbandistas!

Pé no Chão que a Batalha é longa e cheia de tentações, de provações, mas o Verdadeiro Umbandista não vai abandoná-la, pode ate as vezes se chatear, se cansar, mas basta algumas horas , ou alguns dias para refletir que tomamos novamente o caminho da caridade!!

Joãozinho Galerani

sexta-feira, 9 de março de 2012

Psicografia - Por LILIAN PAULINO DE MIRANDA -25/02/2012

Aos amigos da casa

É com grande satisfação que me encontro aqui nesta casa que me vem ensinando tantas coisas boas, não somente a mim, mas também a alguns companheiros meus.

Quantdo aqui cheguei, estava completamente desesperado, a infelicidade me tomava , andava de um lado a outro, sem saber o que fazer, perambulei por muitos anos, meus companheiros que sempre estiveram ao meu lado, sumiram e só depois de recuperado consegui encontra-los.

Hoje sei que tudo aconteceu porque eu mesmo quis assim, mas quando estava vivendo tudo aquilo era dificil aceitar, eu queria o sucesso a todo custo, não pensava em quem estava ao meu lado, só pensava em meu proprio beneficio, meus amigos me aconselhavam para que eu tomasse um outro caminho, mas eu não os ouvia, só queria saber de mim.Era só eu que me importava naquele momento.

Mas ainda assim meus amigos de fé estavam confiantes que eu iria aprender a lição e iria cair em si. Eles faziam oracoes para mim, até depois que desencarnei, ouvia as preces que eles faziam, todas feitas com tanto carinho e devoção, foram elas que me ajudaram a sair daquele lugar horrivel que eu fui parar, era fedorento me sentia sujo, tinha dores por todo o meu corpo, mal conseguia parar em pé, rastejava como se fosse uma cobra, queria sair dali mas não conseguia me libertar daquele lugar. Mas somente com as orações de meus grandes companheiros aos poucos fui aceitando Jesus na minha vida, e fui fazendo minhas orações, timidamente pois não sabia rezar e nunca o tinha feito.

Mas abri completamente meu coração para o nosso senhor, ajoelhei no chão e pedi para que ele me ouvisse e que fizesse de mim naquele momento o seu instrumento, que preenchesse meu coração com toda a paz. E com essas palavras só sei que eu apaguei e dai por diante não vi mais nada. Só lembro que acordei num lugar bem melhor do que o que eu me encontrava. Como era bom se sentir amado, eu sentia naquele momento o verdadeiro amor de nosso pai, nunca havia sentido em toda a minha vida, não era necessário dinheiro, sucesso, nada do que eu tive na minha vida me fizeram sentir o que eu sentia naquele momento, era o amor preenchendo todo o meu coração.

As palavras que eu ouvia me faziam chorar muito, mas era um choro de felicidade e alivio por tudo que eu suportei na minha vida infeliz.

Hoje que eu encontrei a alegria de viver e agradeço muito a Deus por ter me dado essa benção de me trazer pra cá, onde sou tão bem cuidado, onde me sinto um ser humano de verdade.

Quero também agradecer aos meus amigos que ainda se encontram encarnados mas sei o pensamento deles, estão sempre voltados a mim, quero pedir para que Deus possa encontrar sempre no caminho deles e sei que um dia iremos nos encontrar e poderei agradecer pessoalmente tudo que eu recebi de coisas boas.

Quero agradecer também a todos os filhos da casa, que contruibuiram para hoje o que eu posso dizer de verdadeiro sucesso.

Fique com a pas de DEUS

Umberto Martins

25/02/2012

quinta-feira, 8 de março de 2012

AS MULHERES NA UMBANDA


A sociedade por muito tempo teve um comportamento machista, a mulher era relegada a segundo plano, levada a um estado de completa submissão:

· Pais que escolhiam casamentos para as filhas
· Não podiam votar
· Não podiam trabalhar fora
· Não podiam participar das conversas “de homens”
· Tinham de obedecer cegamente aos maridos
· Em algumas épocas eram inclusive impedidas de estudar, pois “não precisavam”

Este comportamento de certa forma foi trazido para o meio Umbandista, e o que é pior e que em muitos locais perduram até hoje:

· Mulher não pode trabalhar menstruada
· Mulher não pode tocar atabaques
· Mulher grávida não pode trabalhar
· Mulher não pode presidir cerimônia de casamento ou batizado, etc…

Que me desculpem aqueles que pensam e trabalham desta forma, mas ate hoje ninguém me apresentou um argumento que me convencesse destas restrições impostas às mulheres.

No meu entender, existe um agravante, estas “normas”, não ficaram somente no lado material, atingiram também o Astral, principalmente em ralação às Pombas Gira, entidades muito valiosas e preciosas dentro de um terreiro.

Existem muitos que ainda acreditam que toda Pomba Gira foi uma prostituta e que só trabalha o lado sexual, que só serve para arrumar companheiro ou desmanchar relacionamentos, que se incorporar num médium masculino este vai virar homossexual, e por ai vai…

Cheguei até a ouvir e ler em algum lugar que uma Pomba Gira não pode tomar a frente de um trabalho, pois ela é apenas auxiliar dos Exus, quanta prepotência…

Basta abrirmos os olhas e vermos a proporção de mulheres que militam na Umbanda em relação aos homens, eu ousaria colocar na casa dos 60 ou 70 %, agora tentem imaginar seu terreiro sem as mulheres…

Tem um ditado antigo que diz:

“Por trás de um grande homem tem sempre uma grande mulher”

Eu ousaria mudar este ditado, e ele ficaria assim:

“Ao LADO de um homem que realiza um bom trabalho, tem sempre pelo menos uma grande mulher”.
Dias atrás um amigo, durante uma conversa me disse que achava que eu estava fazendo um bom trabalho frente ao Terreiro..

Pois bem, tenho a mais absoluta certeza que um dos principais motivos para que este trabalho esteja sendo bem feito, é que tenho ao meu LADO, varias grandes mulheres,a Ana, Camila,Ana Paula,Cidilene,Cris,Daniele,Elaine ,Elen,Erica,Fatiama,Hosana,Isabelinha,Jaqueline,Karina,Lea,Lilian,Luana,Luciana,Lucy,Marcia, Augusta,Carol,Maria Helena,Laurinha,Michele,Sandrina,Lili,Fabiola,Tatiana,Tatiane,Thalita,Virginia....e logicoa a Sueli!!

“MULHERES DE ARUANDA”.


quarta-feira, 7 de março de 2012

Ladra devolve dinheiro após ‘ouvir’ e 'ser convencida' por pomba-gira

Bom, é a vida, pelo menos alguma notícia com fundamento... Laroiê Exu.

Uma empregada doméstica de 26 anos foi presa na tarde de quarta-feira acusada de furtar joias e dinheiro da casa do patrão, um desembargadorde Justiça, no Alto Leblon, Zona Sul do Rio. Ela entregou os R$ 600 de volta, mas as joias estão desaparecidas. Segundo policiais militares do 23º BPM (Leblon), a jovem teria confessado o crime e dito que devolveu o dinheiro após ser convencida pela entidade da Umbanda e do Candomblé Maria Padilha (a conhecida Pomba-Gira).
De acordo com policiais do 23º BPM (Leblon), a desconfiança sobre a empregada surgiu na própria quarta-feira, quando o desembargador e a esposa deram falta do dinheiro que estava em uma cômoda. Eles também perceberam o sumiço de algumas joias. Os patrões tentaram argumentar com a doméstica, para saber se ela tinha algo a ver com o sumiço das notas, mas, como não tiveram sucesso, resolveram chamar a polícia.
Aos policiais, a empregada teria confessado o furto do dinheiro e das joias. Ela surpreendeu dizendo que devolveria os R$ 600 aos patrões por ter sido convencida pela pomba-gira Maria Padilha. A presa também revelou que havia embrulhado as joias em um papel laminado e jogado em mata que fica atrás do prédio do casal. Durante duas horas, os PMs fizeram buscas no local, mas nada encontraram.

Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguem reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento..."
Joaozinho

paijoaozinho@terreirodavobenedita.com