Horários De Atendimento

Segundas - 20 Hs - Mãe Ana e Pai Afonso.
Quartas - 20 Hs - Mãe Hosana e Pai Ney.
Quintas - 20 Hs - Mãe Gislaine e Pai Afonso.
Sextas --- 20 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.
Sábados - 19 Hs - Mãe Sueli e Pai Joãozinho.

Primeira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Segunda Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira da Corrente do Dr. Adolfo Bezerra de Menezes.
Terceira Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira de Desenvolvimento.
Quarta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Cigana.
Quinta Terça-Feira do mês - 20 Hs - Gira Fechada.

Primeiro Sábado do mês - 15 Hs - Jardins de Aruanda.

Endereço - Rua Meciaçu 145 Vila Ipê - Campinas SP.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

FALANGES DOS EXÚS


Falanges dos Exus


Linha das Almas


São os que vivem onde tem almas, ou seja, na calunga e existem várias Calungas.

Calunga grande (Mar), Calunga (Cemitério), Calunga das Matas (Matas).

Em cada área específica existem Exus responsáveis e cada Exu com seu exército ou falange.
Exu Pimenta pertence a linha das almas e vive na calunga das matas, onde socorre as almas que vagam levando-as à luz, se merecedora ou fica com ele, ou outros exus, onde a alma é reeducada sempre visando levá-la à luz.
Existe a Pomba-Gira Rainha dos 7 Cruzeiros da Calunga Grande, que vive mar, fazendo o mesmo papel do Exu Pimenta.
Assim como o Exu 7 Cruzes, 7 Covas, 7 Catacumbas, que vivem no Cemitério e fazem o mesmo papel.
Todos os Exus dessa linha trabalham com velas brancas, pretas e brancas, amarelas e pretas e guias da mesma cor.

Linha das Encruzilhadas
Destina-se a linha da rua, ou seja, o povo a rua responsável por todos os caminhos, o responsável por todas as encruzilhadas seria o Rei das Sete Encruzilhadas.
Existem vários exus dessa linha, Capa Preta da Encruzilhada, 7 Encruzilhadas, 7 Estradas, & Caminhos, Tranca Ruas, entre outros.
Trabalham muito com velas vermelhas e pretas, ou pretas e usam guias da mesma cor.
Recebem suas oferendas em encruzilhadas ou matas.
“As encruzilhadas de cimento não são boas para fazer oferendas para exus, pois lá vivem muitos kiumbas, eguns, espíritos atrasados que usam os nomes dos exus para atrapalhar as pessoas”.

Linha das Matas
Onde vivem os exus que trabalham nas cachoeiras, pedreiras, em matas, rios, etc.
Onde a muitos são caboclos quimbandeiros, trabalham muito com ervas, gostam de ensinar banhos, defumações, tudo que envolva ervas.
Existem vários tipos de matas, matas serradas, matas fechadas, matas em beira de estrada, de mar, onde existem os determinados exus responsáveis.
Os mais conhecidos são: Arranca-Toco, 7 Cachoeiras, Pimenta, das Matas, dos Rios, entre outros.
Trabalham muito com velas verdes, verdes e pretas ou pretas, usam guias da mesma cor e muitas ervas.

Outras Linhas
Existe a linha dos mirins, onde cada exu tem um mirim representante, trabalham com velas cor de rosa e preta, azul e preta, doces, balas, guaranás, mel, etc.
O exu chefe seria Tiriri.
Existe também a linha dos exus do mar, são piratas, marinheiros e exus das almas, afinal o mar é a calunga grande.
Trabalham com velas pretas ou azuis, com areia.
Suas guias são da mesma cor e com conchas e búzios.
Outra linha é a dos ciganos que em sua maioria são da linha das almas.
Trabalham com anéis, jóias, correntes, tudo que envolva dinheiro, usam velas de várias cores.
As guias variam bastante entre correntes ou amarelo ou preto.Pomba-Giras
Pertencem a todas as linhas entre elas temos: Pomba-Gira Cigana, 7 Saia das Matas, Pomba-Gira Menina, Dama da Noite, Rosa Caveira.
Companheiras (os) Cada exu (ou pomba-gira) tem sua companhia preferida, atuando como seu braço direito, a qual, sempre acompanha seu companheiro.
E esse comportamento é uma coisa singular e pessoal variando de exu para exu.
Por exemplo: o Tranca Rua das Almas tem como companheira Pomba-Gira das Almas, mas talvez o Tranca Ruas que incorpora no José é da mesma falange (família) daquele que incorpora no João, porém não é o mesmo e com isso prefere uma companheira diferente.
Médium e ExuTodo médium possui um ou mais de um exu, que pode ser bem evoluído, em luz, força e sabedoria, mas para que esta entidade possa desenvolver bem seus trabalhos também depende dos conhecimentos do médium e do tratamento que o médium dispensa a entidade.
Por isso sempre se aconselha ao médium que estude, procure manter suas obrigações em dia, cuide dos seus assentamentos, todo médium tem a responsabilidade de saber tratar com seus Exus.
“Calunga seria onde os corpos das pessoas são enterrados e as almas ficam vagando, como por exemplo o cemitério.
O mar é a morada final de muitas pessoas que morrem afogadas, assim como as matas também guardam aqueles que lá se perderam e jamais voltaram...”

OS APETRECHOS UTILIZADOS NOS TRABALHOS DE UMBANDA


Qual a função dos apetrechos na Umbanda?
- Os apetrechos tem várias utilidades, normalmente eles servem para trazer algum tipo de vibração que será utilizada nos trabalhos que serão realizados.
Quais são os apetrechos?
- Pemba, charutos, defumadores, estrela, marafo, imagem, água de beber, rosários ou guias, ervas, banhos.
(Estes são os apetrechos mais comuns, e o nome dado a cada apetrecho poderá ser diferente de um terreiro para o outro)
Qual a função de cada apetrecho
Pemba (giz) - Para traçar pontos que servem de firmeza e captação de forças para os trabalhos. Servem aos Exús para trancar a gira do mal.
Charutos - para defumação e oferendas, gratificação por trabalhos realizados.
Defumadores - para defumação do ambiente.
Estrela (vela) - Para pedir luz, para si, para um espírito, para desfazer trabalho, para pedir graças ou agradecer a todos tipos de espíritos. As cores variam de acordo com a necessidade do trabalho ou vibrações da pessoa.
Marafo (aguardente de cana) - Usado para descarrego e oferenda de gratidão aos trabalhos dos Exús.
Imagem - Para simbolizar para o filho de Umbanda como é o Caboclo, o Preto Velho e demais Espíritos, principalmente para aquele que não possui vidência. É um meio de aproximar o espírito e não se ora nem adora a imagem e sim o que ela representa.
Água de Beber - A água é sempre fluidificada com a força espiritual para beneficiar encarnado ou desencarnado, suprindo-lhe as necessidades do momento.
Rosários ou Guias - Servem para proteção do médium. São feitos de acordo com as vibrações características dos guias dos médiuns.
Ervas - São usadas para banhos e chás para saúde. Devem ser ministradas em ambos os casos, de acordo com a pessoas e com ciência.
Banhos - São transmissões de forças magnéticas para fortalecer , descarregar e limpar a aura, o perispírito do consulente.

**Matéria tirada do site "www.umbanda.hpg.com.br"
Na Umbanda aceitam-se adeptos de todos os cultos religiosos.
Na Umbanda, não há privilégios e nem preconceitos sobre cor, raça ou Religião.
Na Umbanda, não há intolerância religiosa.
Na Umbanda, o dinheiro não têm o poder de salvar ninguém.
Na Umbanda, a caridade não é limitada.
Na Umbanda, não se faz da caridade mercadoria : dá-se de graça o que de graça se recebe.
"Na Umbanda, a caridade é pura, está mais próxima de Deus.”

domingo, 23 de janeiro de 2011

LUXO NA UMBANDA? NECESSIDADE ESPIRITUAL OU VAIDADE DO(S) MÉDIUM(NS)?


Vamos refletir sobre: "necessidade x vaidade x humildade".

-Não está acontecendo um exagero de vaidade na Umbanda (não da religião, mas dos
adeptos)?
Entre muitos aspectos, podemos citar como exemplo a vestimenta e os paramentos:
quando o médium tem uma entidade ou outra que usa um apetrecho de trabalho (um chapéu,
um lenço, uma bengala ou mesmo outro elemento), nota-se que a necessidade desse material
é do guia, ou seja, aquele espírito usa o chapéu, o lenço etc. para realizar seu trabalho, dentro
do seu fundamento. Mas, quando TODAS as entidades que trabalham com o mesmo médium,
ou todas do mesmo terreiro (mesmo em médiuns diferentes) precisam se paramentar, não
seria mais coisa do(s) médium(ns), na maioria das vezes semi-consciente(s), do que do(s)
espírito(s) atuante(s)?

Na internet, revistas e jornais, podemos ver com facilidade, fotos em que o mesmo
médium (ou todos do terreiro), quando incorporado(s) apresenta(m)-se da seguinte forma: o
baiano está vestido de cangaceiro, com falangeiros de seu Zé Pelintra (não concordo com o
termo “linha de malandros”, usado pelos umbandistas mais novos) usa terno, bengala e
chapéu, o boiadeiro parece um capataz ou um coronel fazendeiro, o caboclo se veste imitando
um índio (já que o de modo geral, os artigos encontrados, como cocares, não são
genuinamente indígenas, e muitos não têm nenhuma semelhança aos paramentos que eram
utilizados pelos povos ancestrais de nosso continente, ou mesmo pelos índios atuais), o Ogum
veste roupa de soldado romano e tem uma linda espada (se possível, cravejada de brilhantes),
o erê traja roupas infantis (macacãozinho, vestidinho colorido etc), o cigano com vestes
características do povo (e lógico, quanto mais colorido, melhor), o Exu usa capa, tridente e
cartola, o marinheiro usa uma “farda” como se fosse um autêntico capitão da marinha
americana, etc. Isso quando não resolvem por um “trono” no meio do terreiro, colocando a
entidade numa posição de rei dentro da casa (já existem tronos especialmente confeccionados
para Exus e que são vendidos aos “olhos da cara” nas casas de artigos religiosos).

O que vocês acham? Será que existem mesmo médiuns ou casas onde TODAS as
Entidades atuantes precisam se paramentar?
Seria coincidência esses espíritos escolherem, todos ao mesmo tempo, esse médium ou
essa casa, para se paramentar?
Isso não seria contrário ao principal lema da Umbanda: “HUMILDADE e
SIMPLICIDADE”- tão ensinado pelos nossos sábios Pretos-Velhos?
A roupa branca (símbolo de igualdade), aos poucos estaria deixando de ser a FARDA
dos soldados do exército do Pai Oxalá, já que até em dias de giras comuns estão usando
roupas cada vez mais esplendorosas?

Será que festa de entidade ou orixá precisa mesmo desse luxo todo, deixando, às
vezes, um local sagrado como um templo umbandista mais parecido com uma ala de escola de
samba, onde todo mundo fica "fantasiado"?
Esse colorido todo não facilita a indução à mistificação, ou no mínimo, ao animismo, já
que o médium que gastou tanto dinheiro com toda essa parafernália, não vai querer deixar tudo
aquilo guardado?

Ou será que os guias, que sempre foram exemplos de humildade e simplicidade, é que
são (ou estão ficando) cada vez mais vaidosos (o que não acredito)?
Irmãos-de-fé, filhos da nossa amada Umbanda: apesar do respeito às diferenças, certas
questões poderiam e deveriam ser melhor estudadas ou revistas pelos seguidores do Mestre
Oxalá, afinal de contas, a Umbanda veio para dar espaço a todos os filhos do Pai Celestial,
principalmente aos simples e humildes (encarnados e desencarnados), muitas vezes não
aceitos em outros segmentos religiosos.

Com toda essa parafernália utilizada atualmente, como os mais necessitados se
encaixarão, já que muitos não podem comprar uma “roupa de Exu”, que muitas vezes, custa
mais do que eles ganham por um mês de trabalho?
Lembremos que o brilho que devemos mostrar não é no luxo da vestimenta, ou seja, o
lado externo, pois tudo isso é ilusório, já que roupa não tem força espiritual.

O que realmente importa é a essência divina que existe em cada um de nós, filhos de
Deus (encarnados e desencarnados). Esse brilho, que brota no âmago do ser é que deve ser
mostrado e melhor ainda, doado, a todos aqueles que necessitam. Isso sim agrada ao Pai, aos
orixás e seus Falangeiros de Luz.

Sandro da Costa Mattos


APEU - Associação de Pesquisas Espirituais Ubatuba

Templo de Umbanda Branca do Caboclo Ubatuba.

www.apeu.rg.com.br

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

2011

Dia 14 começaremos nossos trabalhos....

Queremos agradecer ao Luiz, ao Sr. Nei e a Carol por terem
pintado nosso centro para que possamos receber bem as pessoas.

Tambem agradecemos ao Paulo por ter doado a tinta.

Bom ano e bons trabalhos a todos.


Alguns textos, poemas e fotos foram retirados de variados
sites, caso alguem reconheça algo como sua criação e não
tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.
''A intenção deste blog não é de plágio, mas sim de espalhar conhecimento..."
Joaozinho

paijoaozinho@terreirodavobenedita.com